Sobre Estilo Pessoal e Maternidade

April 4, 2018

Se às vezes esquecemos de pegar bolsa, por brinco e pentear cabelo, como não esquecer nossa auto-estima na porta de casa? Com flexibilidade dá sim pra conciliar a dedicação aos filhos e o ato de se vestir criativamente.

 

Um tempo atrás, quando estava grávida do José, pensei em fazer um canal de vídeo sobre estilo pessoal e maternidade. Mas tem quem diga, ou saiba, que gravidez de segundo filho pode ser puxada. E a minha foi: teve repouso, teve mudança de casa, e também teve enlouquecer de esperar porque a criança mudou de ideia e resolveu ficar lá dentro… Sempre as transições!

 

Depois de um ano e pouco, muita coisa (mais ou menos) assentou aqui dentro e o tema voltou à minha atenção. Por enquanto não vai ter canal, mas vou organizar aqui um pouco do que penso em relação a se vestir sendo mãe, ou tendo filho(s). Pois ao contrário do que achava, essa equação não me parece mais tão conflitante. O que também não significa ser tranquilo.

 

Na verdade, ESTILO é uma questão complexa que permeia e aflora muitas outras, combinado à MATERNIDADE então… Gosto de pensar que dar atenção à nossa imagem pode ser uma forma de observar várias camadas internas e, se necessário, mudar muita coisa lá dentro. Ao perceber que uma roupa não serve mais, seja por conta do tamanho ou do rumo que a vida tomou, aceitamos uma mudança em nós mesmas e nos libertamos para seguir em frente.

 

Estilo e auto-estima na maternidade

 

É que hoje vi uma grávida na yoga e me lembrei desse momento lindo da expectativa e, apesar do corpo diferente e de desafios puxados - como amarrar os sapatos nos piores dias-, na gestação o malabarismo diário tem menos componentes do que na maternagem. Na gestação ainda somos uma só, ainda que gestando outra. E aí, quando fome, sono e choro aparecem vezes dois... É que a realidade chegou chegando. Por isso, balancear ESTILO e MATERNIDADE foi uma questão central na minha experiência de maternagem.

 

Quando a Mia chegou o mundo mudou um tantão. Foi uma mudança suave, porque teve muito apoio e muita presença de toda minha vila e em especial do marido. E, apesar do amor maior do mundo, que nunca experimentamos antes e de todo aquele discurso que é injetado no cérebro das mães pelos resquícios de uma sociedade padrão “papai-mamãe-filhinho-pelo menos dois!-Doriana”. Coisa que também parece estar em transição, ainda bem... Acho imprescindível falar também sobre as perdas, as renúncias e as angústias passadas.

 

Na MATERNIDADE o amor multiplica, SIM! É um mundo novo e maravilhoso, SIM! MESMO! Não discuto isso, NUNCA! Mas tem tantas falas, palpites, maneiras corretas, normas, formas de se sentir e de cuidar. E tem também o sono, o cansaço, o leite, só pra começar a falar… Nesse meio-tempo, pensar em estilo no sentido do que vestir e com que intenção não cabe mesmo. É necessário abrir espaço pra  que coisas mais profundas e significativas tenham espaço e tempo para enraizar em nossos coraçõezinhos.

 

A redescoberta pessoal através do estilo

 

Não sei se foi a falta de tempo, ou porque não faz sentido, ou porque as tarefas se acumulam. Eu percebia diariamente muitas mudanças no corpo e na mente, mas só reparei que o assunto ESTILO foi sumindo, quando ele quase não tava mais lá. E, então, quando a vontade de brincar de vestir tava escorrendo pelo ralo, eu a puxei de volta. Me agarrei na ideia não para me separar da minha filhota e sim para reencontrar-me comigo. Do que gosto, do que me alimento, onde vivo, que roupas uso!?

 

Nesse momento é tão importante separar o tanto que éramos e não somos quanto acrescentar as peças que estamos descobrindo aos poucos. Até porque, a bebê cresce um pouquinho e a gente já consegue ver que não é toda saia que vai ao parquinho; tem aquele sapato confortável e bonito que vai pra todo lugar; o colar mais amado que bate na cabeça do filho quando preciso abaixar pra dar colo… E por aí vai.

 

E passado uns meses, se a mãe pensa um pouco mais na sua imagem já recebe um olhar atravessado. Como justificar dar atenção a mim mesma, quando toda atenção deveria ser para o bebê? E é assim que cada look bem montado, ao invés de fortalecer a auto-estima e o vínculo afetivo, carrega uns gramas de culpa. Enquanto isso, a mãe que tá de boa na lagoa, descabelada e nem aí com o azedinho do golfo diário, recebe outro olhar atravessado. O olhar do: tem que se cuidar! Assim quem vai querer?

 

Aff! Julgar a maternagem alheia tá fácil!

 

Mas ó, isso tudo é uma imersão. Valiosa, temporária e que nos traz uma maleabilidade incrível. Traz um entendimento dos nossos diferentes momentos e do que é primordial para cada uma de nós. Nos ajuda a saber quando e como colocar a troca de fraldas, ou o salto alto, em primeiro lugar. Tô falando isso, porque há umas semanas ouvi as meninas do Mamilos falando sobre beleza e teve uma fala tudo a ver com algo que sempre pensei.

 

https://soundcloud.com/mamilospod/138-beleza-para-quem

 

Você pode ouvir o papo todo no link aí em cima, mas vou contar uma passagem:

Alguém falou que quando vê uma mãe de salto alto, CARAMBA!, que não rola…

-- Oi! Põe o dedo aqui quem já se sentiu uma extraterrestre buscando criança no jardim da infância de salto! -- Daí outra pessoa defendeu que, às vezes, o salto é tudo o que a mulher carrega da outra vida dela, da vida sem a criança; é um lembrete, um símbolo de empoderamento, de quem ela também ainda é.

 

Acho exatamente isso!

 

Na nossa vida tem espaço pra sermos todas. Nem sempre você vai estar como outras pessoas esperam. Não é a expectativa do outros que devemos suprir e sim encontrar esse lugar e a vestimenta que nos faz sentir plenas! E pode apostar que aos poucos o que parece ser restrição vira solução. Com alguma criatividade novas constelações aparecem dentro dos nossos guarda roupas. Looks e versões de nós mais alinhadas com as vivências do momento, claro! Um pouco mais confortáveis e até mesmo ousados, uma vez que as combinações precisam ser extrapoladas - até porque nem sempre tem tudo limpo e disponível… Eu, por exemplo, uso muito mais tênis hoje. E amanhã vai ser outro dia…

 

Please reload

 em breve 

Últimos Posts

March 12, 2019

Please reload

Seja a primeira a receber dicas sobre estilo e consumo consciente
@historiasdejade

Quer saber um pouco mais sobre os nossos processos e se inspirar dando uma espiadela em quem passa por aqui?

  • Instagram - Grey Circle
Contato

Av. Dr. Arnaldo 1566

São Paulo, SP 01255-010

​​

Tel: 11 999091731

valentina@historiasdejade.com.br

© 2017 todos os direitos protegidos - Histórias de Jade